Dúvidas Sobre a Noergologia

INTRODUÇÃO: Revoluções de paradigma sempre provocam choque civilizatório do paradigma emergente com o paradigma vigente. É compreensível que as pessoas consideradas “cultas e comprometidas com teorias e práxis do velho paradigma” tenham mais facilidade de encontrar  explicações afinada com teorias do velho paradigma e ao mesmo tempo, maior dificuldade em compreender teorias e práxis do paradigma emergente. Esta recorrência histórica pode ser observada em inúmeros exemplos: foram os doutores a) em geocentrismo, que condenavam o heliocentrismo; b) e em imobilidade sanguínea que condenavam a teoria circulatória do sangue, etc.

Esta dificuldade de conseguir enxergar o novo traz grandes prejuízos, como mostram os exemplos citados do passado e que continuam ocorrendo atualmente, porque a história se repete.

Veja o texto do aluno JOÃO RANHEL Ouvinte USP da Disciplina PSI-5764 – Introdução à Ciência Cognitiva, do prof. HENRIQUE DEL NERO, aula do dia 29.09.2006, o seguinte texto: “Del Nero citou o médico Sherrington, que realizou várias cirurgias denominadas comissurotomia, contudo encontrei uma definição: “cisão apenas do corpo caloso, mantendo incólumes as demais conexões inter-hemisféricas, permanecendo a contralateralidade visual” apenas no site do Instituto de Noergologia. Então procurei a definição desse termo: NOERGOLOGIA, novo paradigma da Psicologia que focaliza o homem não mais como um ser passivo inconsciente, mas como um pólo de poder dotado do sistema mente-cerebro ativo e criador. São seus axiomas: a) Cérebro é órgão e instrumento do pensamento; b) Ser humano é intencional, não determinista; c) Noesis Ativa: mente-cérebro é um sistema ativo e criador; d) Imaginação comanda noergia; e) Cientista holocentrado.O que é isso? Acho que não é esse o caminho! ” ( o grifo é nosso)

A citação é um exemplo de mascaramento de pesquisa com a comodista técnica do peenchimento de palavrório com citações descontextualizadas.  O texto mostra desconhecimento do significado da expressão “axioma do observador holocentrado” e do próprio conceito de axioma paradigmático. Percebe-se que o aluno se limitou a dar um search no Google com a palavra “comissurotomia” e simplesmente copiou o verbete do glossário da Noergologia, sem contextualizá-lo com os demais verbetes correlatos do glossário e com o novo vínculo paradigmático..

Com isso perdeu também a oportunidade de começar a conhecer Noergologia, que é uma revolução paradigmática em busca de uma visão contemporânea da interface pensamento cérebro a nível noérgico. A Neurociência, beneficiada com a evolução paradigmática da sua área de atuação, vem trazendo resultados palpáveis para a raça humana. Todavia a Psicologia vigente vinculada ao velho paradigma mecano-passivista continua dando velhas explicações para as novas descobertas proporcionadas pela neurociência. Noergologia corrige essas distorções proporcionando uma compreensão dos mecanismos cerebrais à luz do paradigma emergente. Sugerimos o texto O ERRO DE DAMÁSIO que é uma leitura noergológica do livro “O ERRO DE DESCARTES”.

COMISSUROTOMIA, CALOSOTOMIA, CÉREBRO DIVIDIDO, ESPLITADO OU BIPARTIDO: Na literatura acadêmica constata-se o uso desses termos ora como equivalentes ora como diferentes, e geralmente desprezando as implicações da contralateralidade visual, como se vê nos exemplos extraídos do dicionário digital de termos médicos: CALOSOTOMIA: separação dos hemisférios através da extirpação total ou parcial do corpo caloso. Em geral se extirpam os dois terços anteriores para o tratamento da epilepsia ou parte do terço anterior para abordar tumores do terceiro ventrículo. COMISSUROTOMIA: Cirurgia de abertura de comissuras. A própria definição de João Ranhel também ignora essas implicações: “a extirpação dessas comissuras, dessas junções”.

Mas, para o rigor científico exigido pela Noergologia tornou-se indispensável convencionar semantemas que incorporados ao glossário noergológico deixem clara qual situação visual o termo implica: CÉREBRO  DIVIDIDO, esplitado ou bipartido, segundo o clássico conceito do Dr. Sperry consiste na “cisão do corpo caloso e demais conexões entre os dois hemisférios a partir da parte superior do tronco cerebral incluindo o quiasma ótico”. Nesse caso desaparece a contralateralidade visual. O termo Cérebro dividido é inadequado para a COMISSUROTOMIA OU CALOSSOTOMIA, termos restritos à cisão apenas do corpo caloso, mantendo incólumes a demais conexões inter-hemisféricas, permanecendo a contralateralidade visual.

Instituto de Noergologia – Pensamento não é inconciente, é criador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *