Neuropsicanálise – A Fraude Ataca de Novo

NEUROPSICANÁLISE, A FRAUDE ATACA DE NOVO O POVO

Prof. Jacob Bettoni, Autor de Revolução de Paradigma na Psicologia

 “Cientistas muitas vezes estão interessados não em promover, mas em obstruir o progresso” Thomaz Kuhn

 ALERTA: O Homem evoluiu das cavernas até o espaço sideral graças aos pioneiros. Isso porque, em todas as épocas, sempre existiram os reacionários  que tentaram impedir o progresso científico através dos conhecidos artifícios do olho do furacão, efeito camaleão, efeito tapetão e terreno minado.  Esse artigo é um alerta contra o crime de lesa-ciência praticado por alguns retardatários intelectuais que tentam macular a neurociência com a Psicanálise, com o artifício de uma mancha preta chamada neuropsicanálise. Se você é um pioneiro que acredita no progresso e é contra o retrocesso da ciência, considere-se convocado. Não estão brincando com nosso patrimônio, nem com nosso saldo bancário, mas com nossa maior riqueza: nosso pensamento que ocorre na interface mento-cérebro.

O QUE É NEUROPSICANÁLISE

Um grupo de psicanalistas manipulando as descobertas da neurociência criou a neuropsicanálise, chegando ao absurdo de afirmar que a neurociência moderna confirmaria a psicanálise.

Ora, todos os exemplos invocados pela própria neuropsicanálise têm o mérito de refutar definitivamente a psicanálise, ao comprovar que o órgão-instrumento do pensamento é o cérebro, sistema dotado de energia própria, o que é incompatível com o sistema da repressão resultante do confronto com uma emergia invasora, alienígena, que para Freud era a libido. Libido é a energia de que sistema? Do sistema neural ou do sistema sexual? Freud desconhecia a energia neural, que só foi descoberta muitos anos depois da criação da Psicanálise e que só começou a ser aceita pela comunidade científica poucos anos antes da sua morte. Por isso é que para ele a energia do pensamento era libido fornecida pela pulsão sexual [1].

A neuropsicanálise tenta nos enganar com cebrogênese escondendo debaixo do tapete a sexogênese psicanalítica. Mas é o próprio Freud falando que: a) não existe neurose sem distúrbio sexual; b) os fenômenos patológicos constituem a atividade sexual dos enfermos; c) Freud criou uma sexogênese, ao invés da cerebrogênese[2].

A neuropsicanálise subestima sua platéia quando chama de neurocientista respeitado até hoje alguém como Freud que: a) criou uma psicologia vinculada ao sexo ignorando o cérebro; b) não admitia o vínculo da fala à área de Brocca; c) dizia sem corar que a função do sistema nervoso é suprimir estímulos que até ele chegam, reduzindo-os ao nível mínimo e se possível mantendo-se livre deles.

Neuropsicanálise não menospreza apenas a inteligência das pessoas que não ficaram paradas no tempo, mas também a memória do próprio Freud, que tentou destruir seu livro de neurologia, uma coletânea de erros neurológicos, segundo Ricoeur, reunidos no “PROJETO”. Depois de tomar conhecimento da neuroeletricidade, pouco antes de morrer, Freud afirma sabemos que na vida psíquica atua uma espécie de energia, porém carecemos de todos os dados a esse respeito. Ora, os dados que ele não tinha, nós hoje temos em profusão. Sabemos, sobretudo, que essa energia (noergia) pertence ao sistema pensamento-cérebro, conhecimento esse incompatível com a pedra fundamental da psicanálise que é a repressão, a qual exige uma energia de fora do sistema, uma energia invasora. Esse primitivo conceito se ancorou em diversas crendices ao longo da história, reencarnando-se na libido como provedora da energia do pensamento a partir de Hipócrates, solidificada na bruxaria e adotada pela psicanálise.

Não seria preciso Holt ter demonstrado que Psicanálise e Neurociência são auto-excludentes. Tanto que os argumentos enumerados pela neuropsicanálise refutam a psicanálise ao invés de comprová-la, ao enfatizar que o pensamento pertence ao sistema mente-cérebro e não ao sistema sexo-cérebro..

INIMIGOS DO PROGRESSO

Fica fácil flagrar neuropsicanalistas repetindo o mesmo tipo de raciocínio usado pela ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE FILADÉLFIA, quando também tentava transformar a descoberta refutadora do Pox Virus de Jennifer em argumento confirmatório. Eles também tentavam enganar o povo insinuando que a descoberta do pox virus comprovaria a teoria demogênica da varíola, quando na realidade refutava. Também eles usavam falácias camufladas de argumentos fortes: o fato desse Jennifer evitar as bolhas diabólicas com vacina, comprova que ele fez pacto com o diabo, que é a verdadeira causa da varíola.  Portanto a descoberta do pox vírus é a prova definitiva d a etiologia demogênica dessas bolhas.

Por detrás das tentativas de manter viva a concepção psicanalítica determinista de pensamento inconsciente, há uma questão de marketing e não de ciência. Trata-se de manter privilégio único: o psicanalista joga a culpa dos seus erros no tal de inconsciente, que na teoria tudo explica e na prática tudo justifica, até mesmo culpar o paciente com a hipocrisia da “transferência”. Essa mordomia inexiste em nenhuma outra profissão, e vem sendo denunciada como lesiva aos direitos do consumidor desde o Psicólogo Myra Y Lopes. A manutenção desse privilégio raramente denunciado ao PROCON é a causa maior de artifícios como a da neuropsicanálise – A FRAUDE ATACA DE NOVO O POVO..

Urge manter vigilância intelectual para impedir que interesses corporativos se beneficiem com a paralisia paradigmática da Psicologia para contaminar as conquistas da neurociência. Essa tarefa exige um novo paradigma capaz de fornecer uma inovadora visão da interface pensamento-cérebro, propiciando um passo para frente e jamais um passo para trás, como propõe a neuropsicanálise. Quem tem a solução para esse impasse é o paradigma emergente da Noergologia, com plenas condições de evitar que neurocientistas e psicanalistas continuem fazendo as perguntas erradas, obtendo respostas do mesmo gênero. Noerobica® práxis criada pela Noergologia resolve em semanas o que a psicanálise não resolvia em anos.

 PSICANALISTAS ENGANAM O POVO E JOGAM A CULPA EM FREUD

Não se espante. A Neuropsicanálise não é a única fraude com que os manipuladores da mente tentam enganar a grande massa de cavernícolas explorados pela psicocracia. Relacionamos pelo menos mais três notórias tentativas da mais despudorada e ímpia manipulação a) Freud descobriu o inconsciente; b) Freud revolucionou com o pansexualismo; c) O complexo de Édipo.

Tanto essas três fraudes quanto a fraude da neuropsicanálise são da autoria dos psicanalistas e não de Freud: Freud era grato aos mestres que lhe ensinaram a teoria do inconsciente e do pansexualismo e se orgulhava da genuinamente sua revolucionária teoria da sedução, o contrário da fraude edipiana. Portanto não é Freud que frauda, mas sim os psicanalistas, que agora reaparecem com o camaleão da neuropsicanálise. São exemplos fortes deixando claro que a batalha pela conquista da nossa mente é incessante. A Neuropsicanálise é uma traição aos ideais de Freud que afirmava em 1915: “o que hoje a ciência proclama como verdade é refutado pela geração seguinte. E é nisso que consiste o progresso da ciência”.

O Domínio e a manipulação exercida pela psicocracia sobre nossa maior riqueza, nosso sistema mente-cérebro, é algo que vem fascinando os que amam o exercício do poder a qualquer preço. Mas que também finalmente despertou a vigilância dos que já se libertaram das algemas psicocráticas e finalmente descobriram que pensamento não é inconsciente, pensamento é criador!



[1]LAPLANCHE, J. et PONTALIS, B. 1970. Vocabulário da psicanálise, p. 288, SP. Martins Fontes; FREUD, Sigmund, Psicoanalisis e teoria de la libido, p. 2674. MASSON, Jeffrey M., 1977.

[2] MASSON, Jeffrey M., 1977. A correspondência completa de S. Freud para Wilhelm Fliess, p.p. 37- 38, RJ. Imago; FREUD, Sigmund, 1901, Analisis fragmentário de una histeria, p. 998

 

 

Urge evoluir para enxergar que pensamento não é inconsciente, pensamento é criador.

O QUE FREUD DIZIA

DESCOBERTAS REFUTADORAS

Órgãos sensorias são telas protetoras contra estímulos

Órgãos sensoriais são transdutores de estímulos

Prova do inconsciente e cerne da psicanálise é a repressão que produz amnésia, que se prova usando análise (que não oculta a resistência) no lugar da hipnose (que a oculta)[7]

A ocorrência de amnésia durante e depois da hipnose refuta a pedra angular da psicanálise

A tendência fundamental do sistema nervoso é manter suas quantidades reduzidas a zero[8][9]

O neurônio não é o cabo passivo de Freud chegando a amplificar o impulso original[10]

Aumento de estímulos gera desprazer e sua diminuição, prazer[11] 

Aumento de estímulos nos centros cerebrais do prazer aumentam-no

Função do sistema nervoso é suprimir estímulos que até ele chegam, reduzindo-os ao seu nível mínimo e se possível manter-se livre deles[12]

Neurônios caçam os estímulos e crescem na sua direção (neurobiotaxe) ao invés de evitá-los

Rejeitava as localizações cerebrais do Homúnculo de Penfield·

Localizações cerebrais do H. de Penfield consagradas

 Não admitia o vínculo das memórias ao cérebro[13]

Toda a memória existe como entidade física cerebral[14]

Lesão nas áreas de Broca e Wernicke produziam afasia, hipótese por ele rejeitada[15]

Áreas de Broca e Wernicke comprovadamente ligadas à fala

Desconhecedor da energia neural dizia que a energia do pensamento era a libido fornecida pela pulsão sexual[16][17]

Neuroeletricidade é produzida pelo cérebro é a energia do órgão do pensamento

A libido flui das zonas erógenas para o ego[18][19]

 Pensamentos controlam o sistema endócrino e este controla as emoções.[20]

O comportamento aparente é comandado por memória importada oculta no manifesto

Aprendizagem muda o cérebro, cuja memória muda o comportamento

A religião é uma neurose que o progresso deletará

Hipótese refutada pelo atual surto religioso e místico.

Contestava psicogênese hipnótica de Nancy, defendendo sexogênese charconiana da Salpetriêre.[21][22][23]

a investigação atual da hipnose rechaça toda a hipnologia freudiana, que desconhecia seus aspectos neurológicos e alfagênicos[24][25]

SALPETRIÈRE: a) Freud e Charcot contestam Nancy;       b) hipnotismo é fenômeno histérico; c) só histéricas são hipnotizáveis

NANCY: a) Bernheim, Coué; b) hipnotismo é fenômeno mental; c) hipnotismo é produto da sugestão; d) cérebro produz a hipnose.

Não existe nenhuma neurastenia ou neurose sem distúrbio sexual[26] . Os fenômenos patológicos constituem a atividade sexual dos enfermos.[27]

Todos os exemplos de Solms comprovam que cérebro é órgão e instrumento do pensamento refutando Freud

O sonho é um distúrbio do sono comparado à psicose.[28]

Sonho é natural, salutar e cíclico. Distúrbio é sua ausência, que produz REM REBOTE·

Sonho é passivo, havendo aniquilamento do ego durante sua ocorrência

REM é ativo: aumenta metabolismo e voltagem cerebral[29]

O sonho é o guardião do sonho permitindo a realização de desejos reprimidos no conteúdo manifesto. Se o ego desconfia do enredo desiste de dormir com medo dos sonhos[30]

Refutado por Faraday e Kinsey[31]: a) mais devassos tinham mais sonhos pornográficos; b) sonhos com sexo explícito sem disfarce, detestando serem acordadas durante eles, o oposto do que Freud imaginava.[32]

Sonho é o guardião do sono: sonhamos para não acordar

Só quando REM termina iniciam os cíclicos breves despertares noturnos (Moruzzi)

 


 

[1] LAPLANCHE, J. et PONTALIS, B. 1970. Vocabulário da psicanálise, p. 288, SP. Martins Fontes; [2] FREUD, Sigmund, Psicoanalisis e teoria de la libido, p. 2674.[3] MASSON, Jeffrey M., 1977. A correspondência completa de S. Freud para Wilhelm Fliess, p.p. 37- 38, RJ. Imago. [4] FREUD, Sigmund, 1901, Analisis fragmentario de una histeria, p. 998.[5] FREUD, Sigmund, 1915. Los instintos e sus destinos, p.p. 2041 e seg. [6] RICOEUR, Paul, 1977. Da interpretação, ensaio sobre Freud, p. 77, RJ. Imago.[7] FREUD, Sigmund, 1914. Historia del movimiento psicoanalítico, p. 1900.[8] FREUD, Sigmud, 1895. Proyecto de una Psicologia para  neurologos, p. 220.[9] CARBALLO, Juan Rof, 1973. Introduccion a este tomo primeiro, Obras completas de S. Freud, p. XXIV, Madrid: Biblioteca Nueva.[10] KATZ, Bernhardt, 1961.Psicobiologia as bases neurológicas do comportamento, p.236, RJ. Livros Técnicos e científicos. [11] FREUD, Sigmund, 1938. Compendio del psicoanalisis, p. 3380.[12] FREUD, Sigmund, 1915. Los instintos e sus destinos, p.p. 2041 e seg. [13] JONES, Ernest, 1975.Vida e Obra de Sigmund Freud, 230, RJ. Zahar [14] KHALSA, Dharma Singh, 1997. Longevidade do cérebro, p. 97. RJ. Objetiva. [15] JONES, Ernest, 1975.Vida e Obra de Sigmund Freud, 230, RJ. Zahar  [16] LAPLANCHE, J. et PONTALIS, B. 1970. Vocabulário da psicanálise, p. 288, SP. Martins Fontes. [17] FREUD, Sigmund, Psicoanalisis e teoria de la libido, p. 2674.[18] FREUD, Sigmund, 1938. Compendio del psicoanálisis, p. 3383.[19] FREUD, Sigmund, 1938. Compendio del psicoanalisis, p. 3387.[20] KHALSA, Dharma Singh, 1997. Longevidade do cérebro, p. p.113 a 134, RJ. Objetiva [21] TALLAFERRO, A.1957. Curso básico de psicoanalisis, p. 25, Buenos Aires, Paidos. [22] FREUD, S.1909. Psicoanalisis, p. 1541.[23] AZAM et al. 1893. Hypnotisme et double conscience, p.p. 11 a 19, Paris, Ancienne Librarie Germer Baillière. [24] KLINE, Milton, 1961. Freud y la hipnosis, p. 29, Buenos Aires, Psique.[25] ANDRADE, Osmard,1979.Manual de hipnose médica e odontológica, p. 47, RJ. Atheneu [26] MASSON, Jeffrey M., 1977. A correspondência completa de S. Freud para Wilhelm Fliess, p.p. 37- 38, RJ. Imago. [27] FREUD, Sigmund, 1901, Analisis fragmentario de una histeria, p. 998.[28] FREUD, Sigmund, 1938. Compendio de psicoanalisis, p. 3396. [29] KETY, Seymour S. Sleep and the energy metabolism of the brain, p.p. 375 a 385, separata. [30] FREUD, Sigmund, 1915. Adicion metapsicologica a la teoria de los sueñoes, p. 2085[31] FARADAY, Ann. 1975.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *