Glossário – Letra I

1. IDÉIA MEGANÉRGICA ou MEGANE: idéia altamente carregada de noergia criada por ideoplasia, que o antigo paradigma do PPP chamava de inconsciente.

2. IDEOPLASIA: O termo ideoplasia foi criado em 1884 por Ochorowicz. Este termo se aplica à realização fisiológica de uma idéia mental. Os dois últimos termos grifados podem parecer pleonasmo. Todavia deixam claro que a idéia iniciada em primeiro lugar no sistema mente-cerebro é, na seqüência executada pelo corpo e pelo comportamento. O aparente pleonasmo refuta a idéia vigente na época, e hoje encarnada no inconsciente metapsicológico, que define o mental como subproduto da esfera sexogênica.

3. IMAGINAÇÃO: função noérgica criadora do inédito noético e das idéias meganérgicas. É a qualidade humana mais fundamental, a grande arquiteta da nossa realidade. Tem sido perseguida ao longo da história e caçada sem trégua pela bruxaria e pela psicanálise, que fomentaram o slogan de que fugimos da realidade pela imaginação. A bruxaria criou os testes projetivos e as técnicas de interpretação do diabo ou do inconsciente, incorporadas pela psicanálise, a qual capitaneia a maior cruzada contra a imaginação de toda a história da humanidade. Muitos não entenderam o alcance da ameaça de Freud quando chegou aos EEUU: “esta gente não suspeita que eu lhes trago a peste”.A psicanálise fomentou a suspeita universal de que a imaginação está grampeada pela energia invasora do id ou do inconsciente. Donde a contínua necessidade de vigilância contra ela, isto é, de análise interpretativa. O emergente paradigma da noergologia corta as algemas que tornavam a imaginação refém do PPP. Agora a imaginação será a grande criadora da nossa realidade e não mais o grande esconderijo.

4. INCONSCIENTE: tal como o éter explicava tudo na Física, quando ela nada entendia de energia, Inconsciente explicava tudo no paradigma do PPP, que igualmente nada entendia de energia. No paradigma emergente inconsciente nada mais explica, deixa tudo sem explicação. O termo só podia ser tolerado dentro dos axiomas do PPP, como a percepção passsiva e uma energia estranha invadindo a imaginação e produzindo o psiquismo. Sedativo do espírito investigatório, quarto de despejo da ignorância, estimulante da preguiça mental, o termo deve ser evitado por estar contaminado de passivismo e fora de sintonia com a pressão transdisciplinar. Vide Cérebro Bicameral.

5. ÍNCUBO: do latim, incubus. Na teoria da bruxaria significava a invasão do diabo, que pegava carona no útero de Hipócrates por onde chegava até o cérebro, conquistava o pensamento e se escondia na imaginação, enganando a hospedeira com sonhos provocados nas mulheres.(VIDE Súcubo)

6. INFOCINÉTICA : termo criado por Ernest Rossi e introduzido no Brasil por Jacob Bettoni na obra “Revolução de Paradigma na Psicologia”. Esse conceito foi popularizado e aprofundado em Noergologia, onde significa a interligação de informações numa sequência transdutiva possibilitando a transformação ou a “tradução” de informações pertencentes à determinada categoria informativa para categorias informativas de frequência, intensidade e qualidade de outras ordens. No fenômeno noergológica da PERCEPÇÃO a infocinética está presente na transdução de informações eletromagnéticas em informações neurais iniciando o ciclo transdutivo de informações noérgicas, o que possibilita as percepções as mais diversas, desde a criação das percepções visuais, gustativas, olfativas, táteis, sexuais até a criação de transduções noérgicas para neurais, originando desta forma a criação dos comandos meganérgicos (MEGANES) responsáveis pelos nossos pensamentos e comportamentos. NOEROBICA®, práxis científica da Noergologia que resolve em semanas o que psicoterapias demoravam meses ou anos vem utilizando esse conceito desde a década de noventa.

7. INTELIGÊNCIA NOÉRGICA: Golemann está certo quando defende que podemos treinar qualquer coisa, inclusive as emoções. Todavia sua teoria da inteligência emocional não escapa da contaminação passivista cometendo aqueles erros típicos do PPP dos quais destacamos: a) confusão entre inato e adquirido: b) desconhecimento do moderno mecanismo da memória e das suas diferenças de potencial noérgico e comportamental; c) confusão de ato comportamental eficaz com inconsciente: d) inversão do princípio universal de que o nível mais evoluído (neocórtex) sempre controla o nível anterior, resumido no seu utópico slogan “seqüestro neural”. INTELIGÊNCIA NOÉRGICA é uma decorrência natural da nova compreensão do sistema mente-cerebro, que tem a obrigação de incorporar os modernos conceitos de memória dos quais lembramos: a) Memória é informação noérgica armazenada em estruturas neurais; b) a criação e consolidação de arquivos de memória ocorrem pelo mecanismo da infocinética, descrito pelo psicólogo Rossi e pelas descobertas de Bernard Agranoff et al; c) COMPORTAMENTO EFICIENTE OU VIP é caracterizado por atos comportamentais automáticos, eficientes, velozes, rápidos comandados por MEGANES e que eram equivocadamente chamados de inconsciente pelo PPP; d) COMPORTAMENTO VIP é sempre função direta, jamais inversa, de memória de boa qualidade, de memória meganérgica ou megane.; e) Exemplo popular de comportamento vip é o bom motorista, cuja eficácia ao guiar é acionada pela megane procedural de pilotar automóvel. Quando aprendemos a dirigir cometemos vários erros porque a memória que comanda esse comportamento ainda se encontra na fase de MCP (memória a curto prazo), progredindo depois para MLP (memória a longo prazo) fraca. O treino a transforma em MLP forte, chegando após muito uso a consolidar-se como uma memória de grande qualidade e eficácia, ou seja, como uma MEMÓRIA MEGANÉRGICA ou MEGANE; e) é exatamente a megane procedural de pilotar que faz com que após bastante treino consigamos guiar automaticamente: eis um exemplo de comportamento vip ou eficiente. É com mecanismo semelhante que podemos criar meganes para atirar, guiar, lutar, fugir ou matar automaticamente; f) a sabedoria evolutiva de milhões de anos preparou nossa atual geração para nascermos com algumas pouquíssimas, mas valiosíssimas megaínas* contendo arquivos de memória de alta qualidade que nos deixam preparados para meia dúzia de atividades: lutar, fugir, comer, beber, copular. Essas megaínas, chamadas confusamente de instinto pelo PPP, são arquivos de memória muito específico, denominadas pedagogicamente de tomadas hormonais. A figura pedagógica é muito adequada: podemos ligar ou desligar uma tomada elétrica e ao fazê-lo especificamente permitimos a conexão de prótons com elétrons produzindo os efeitos luminosos conhecidos; g) analogamente podemos ligar ou desligar as megaínas citadas e ao fazê-lo especifica e exclusivamente ligamos ou desligamos as respectivas tomadas hormonais. Por exemplo, se você precisa lutar, é suficiente que o córtex analise os elementos culturais e conclua que lutar é a solução, que a tomada adrenérgica é imediatamente ligada, sob comando cortical veloz e como conseqüência dessa megaína de luta ocorrem os fenômenos fisiológicos conhecidos tais como diminuição da circulação periférica, aumento da circulação nos braços e tórax, etc.; h) a megaína de luta se restringe a isso, aos efeitos da tomada hormonal: apenas isso é inato. Com quem lutar é cultural. A luta é comandada pela megaína, com quem lutar é comandado por megane. Nascemos com meganes que nos deixam treinados para comer, beber, lutar, fugir, copular. Todo o resto é cortical: comer peixe cru ou churrasco; lutar contra Fidel ou bush; copular com uma loira ou uma morena; beber sakê ou pinga, etc.; i) meganes eficientes sempre criam comportamento eficiente ou VIP. A rapidez e eficácia dos comportamentos vip confundiam sistematicamente os militantes do PPP, os quais por desconhecerem o mecanismo da memória faziam confusões tão grandes a ponto de chamar utopicamente de seqüestro neural o que na realidade era seqüestro emocional; j) todos os exemplos citados por Golemann a favor do seqüestro neural são eloqüentes para demonstrar que o verdadeiro fenômeno por detrás de todos os comportamentos vip é o seqüestro emocional e nunca o seqüestro neural. Por exemplo: o pai que ouviu um barulho no escuro, pegou o revolver debaixo do travesseiro, deu um tiro e ao acender a luz descobriu que tinha alvejado mortalmente sua própria filha. Aqui temos que sua tomada adrenérgica para lutar, sua megane de luta inata, foi utilizada neuralmente mediante treino que criou a megane de usar revólver: claramente o nível mais evoluído comandou o nível menos evoluído. Na mesma situação o homem das cavernas teria usado flecha no lugar de revólver, porque ele teria criado a megane de lutar no escuro contra alvo desconhecido com flecha e não com revólver; k) concluindo podemos desenvolver inteligência noérgica, ou seja, podemos aprender a criar meganes culturais as mais diversas possíveis, para comandar a meia dúzia de megaínas (instintos do PPP); l) finalmente é bom lembrar que fora desse enfoque, Golemann faz algumas afirmações verdadeiras, embora não pelas razões que ele invoca. Exemplos: nossas preocupações se tornam profecias realizáveis, impelindo-nos para o desastre que tememos; a ruminação alimenta as chamas da ira. Em noergologia aprendemos que esses são excelentes mecanismos criadores de meganes, porque em todos existe a presença da imaginação ideoplásica, a grande usina de meganes, mecanismo que mostra sua eficácia também naquilo que Frank chama de ansiedade antecipatória. Criamos uma metodologia conhecida como ERICA, que permite replicar e, portanto demonstrar cientificamente que esse é o mecanismo criador de memórias, principalmente de meganes, onde também identificamos um sentimento de gratificação pela materialização comportamental da ação contida na megane: o gol, a meta alcançada, a vitória; m) existem comprovações científicas demonstrando que não existe seqüestro neural e sim seqüestro emocional: amigdala extraída produz cegueira afetiva: não reconhece nem mãe; cão descorticado de Goltz morrendo de fome em frente a um prato de carne; animais sem amígdala não sentem nem medo, nem raiva; sinais sensoriais viajam nessa ordem: tálamo, amígdala, neocórtex; tálamo e amígdala são sentinelas com a arma assestada, mas quem comanda é o neocórtex: se o a situação exigir ação rápida (luta, fuga) a sentinela está pronta e o comando rápido é do neocórtex. Golemann usando as lentes do PPP dizia calamidades culturais, mostrando uma visão ptolomaica do sistema mente-cerebro, ou seja, enxergando o homem de ponta cabeça. Eis algumas preciosidades dessa visão invertida do Golemann: 1) nas emergências emocionais o neocórtex submete-se ao sistema límbico: as emergências nunca são emocionais, elas sempre são corticais. É culturalmente que aprendemos que os comunistas são bichos papões ou anjos. É sempre a percepção e a megane criada pelo neocórtex que liga ou desliga a tomada adrenérgica. Nunca é o contrário. Comportamento VIP confundia passivistas, mas não engana noergologistas; 2) a amígdala reage num delírio de raiva ou medo antes do córtex saber o que está acontecendo Essa emoção abrupta é disparada independentemente do pensamento. Seqüestro emocional tem duas dinâmicas: disparo da amígdala e a não ativação dos processos neocorticais (Golemann). Ora, é exclusivamente a nível cultural, cortical que criamos percepções e meganes contendo arquivos informando que isso deve meter medo ou aquilo deve dar prazer. A amígdala só sabe sentir medo ou prazer, mas nunca sabe do que deve sentir medo e do que deve sentir prazer. Quem lhe dá tal informação é sempre, sempre, sempre o sistema cortical. Portanto sem pensamento nunca saberíamos do que sentir medo, raiva, etc. por isso é que nos momentos de ação apaixonada, nós não ficamos inconscientes, mas sim eficientes realizando o ato comportamental contido nas informações inscritas nas meganes que nós próprios criamos.

8. IPA: sigla pela qual é conhecido o franchising da International Psychoanalityc Association.

9. ISOMORFISMO: estado de correspondência biunívoca ou daquilo que ocorre paralelamente, mostrando a interface mente-cerebro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *